Não tente mudar o outro; mude você!

Sobre a responsabilidade que temos em nossas próprias mazelas

Sobre a responsabilidade que temos em nossas próprias mazelas




Assim perguntou Freud: qual a sua responsabilidade na desordem que você tanto se queixa? E a partir desta pergunta aproveito para te fazer mais uma: você realmente deseja se libertar das questões que embarreram a sua vida?


Pode parecer absurdo, mas, infelizmente muitos se apegam aos próprios problemas e se tornam os maiores dificultadores para a resolução dos mesmos...


Vou dar um dos exemplos mais comuns: a pessoa vive reclamando do seu parceiro ou parceira, alega estar infeliz em sua relação, mas, não consegue se desvincilhar dele ou dela, mesmo sabendo que não há possibilidades de mudanças. Há sempre algo que lhe segura, mesmo sabendo que o correto seria abrir mão dessa história para ganhar uma vida melhor.




Os motivos para essa permanência podem ser os mais diversos, indo desde a carência emocional, questões financeiras, a triste ideia de que os filhos irão sofrer com a separação, uma relação que reflete a própria história de vida, entre outros... 


Existem ganhos inconscientes que, infelizmente impedem o indivíduo sair de suas próprias prisões e que o fazem fugir, toda vez que se sentem confrontados que precisam tomar alguma atitude. É difícil de compreender, mas, isso existe num número bem superior do que se pode imaginar. 


Pessoas que as vezes até conseguem procurar profissionais capacitados, mas, que em qualquer momento, inventam alguma desculpa e  abandonam o seu processo de tratamento, porque, na realidade, não querem abrir mão das suas demandas...




É triste, desconfortável, mas, ainda assim, para elas, é preferível permanecer inerte às suas questões, mantendo-as como se fossem seus sofrimentos de estimação. Sofro, mas, tenho um marido; me dói, mas, pelo menos não estou sozinho; não sou valorizado, mas, se ele está comigo é porque possuo algum valor...


Os que procuram profissionais especializados, impulsionados, não por idéia própria, mas, por amigos ou familiares, até tentam, contudo, aproveitam qualquer oportunidade para culpar aqueles que os atenderam, justificando a saída por motivos que vão desde a acusação de incompetência até a falta de conexão, ocultando,assim, a falta de desejo ou de forças para mudar a própria história.


E aí, eu te pergunto? Como mudar quem não quer ser mudado? Como ressignificar a própria história se não existe, de fato, interesse numa ressignificação? Sei que este é um texto com palavras duras, mas, por vezes é necessário jogar esta verdade para a reflexão! 


Booking.com


Sem importante dizer que sem querer não há poder e que sem um desejo genuíno de ter a vida transformada, não há cura! Não há outra possibilidade, pois, é a real vontade de mudar que impulsiona para a mudança... E para isso é crucial mergulhar na própria vida para entender a própria história. 


E sem o entendimento desta história e sem o adentrar na própria alma, dificilmente as mudanças acontecerão... Ao contrário, as dores continuarão se repetindo, num eterno círculo vicioso, sem possibilidade de ser desfeito, enquanto não for trabalhado...


E diante disso faço te pergunto novamente: vale a pena continuar mentindo para si mesmo? Vale a pena continuar se enganando pulando de galho em galho dizendo que quer mudar? Por que não tentar aguentar firme, segurar a ansiedade e acreditar em si mesmo (e no profissional que está te atendendo), ao invés de desistir?


Jansen Santos Sarmento da Silva - Doctoralia.com.br


A caminhada pode até ser dura e longa, mas, se você permanecer, com certeza, não sairá dela do mesmo jeito que entrou... Vale a pena pensar nisso!


Psicólogo Jansen Sarmento

CRP: 05/38624

(21) 98337-2725

Atendimento on line

Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário