Encontre aqui o seu hotel!

Booking.com

E você? Tem medo de viajar sozinho?

E você? Tem medo de viajar sozinho?


No final de 2015 fiz a maior loucura da minha vida ao decidir passar um mês sozinho pela Europa, sem falar praticamente nada da língua inglesa. Meu roteiro foi França, Holanda, Itália, República Tcheca e Alemanha. Houve quem me chamasse de louco e quem me parabenizasse, dizendo admirar minha disposição e coragem de pisar sozinho em terras sem o mínimo para comunicação...

Antes que qualquer pessoa me diga que viajar sozinho seja um dom para poucos, começo dizendo que nunca fui um lobo solitário, nem tão pouco cresci com vocação para ficar sem companhia pelos cantos... Sou uma pessoa sociável, que gosta de estar com amigos e que adora estar acompanhado de outras pessoas e sempre prorizei minhas atividades em grupo.


Desde a adolescência me via impelido e desejoso por botar o pé na estrada, vivendo  a sonhar em conhecer  novos lugares... Quando na idade adulta comecei a ter condições de realizar meu desejo, esbarrei na minha personalidade, que sempre priorizou por realizar atividades em grupo, que me prendia ou me paralisava para tomar a decisão de uma trip solitária. Estava sempre a espera de alguém para me acompanhar e viajar sozinho era um sonho bem distante... Por muitas vezes combinei com amigos e pessoas próximas que desistiam dos nossos planos, em decorrência de algum imprevisto ou problemas pessoais...


Meu primeiro grito de liberdade turística se deu no ano de 2012. Com dinheiro e disponibilidade de tempo, minha vontade de conhece Buenos Aires era grande e quase abandonei esse desejo porque dois amigos só me acompanhariam se o destino fosse Santiago do Chile. Quase cedi ao desejo de ambos, mas, para minha sorte  nenhum dos dois se definia e, na época, vislumbrei a possibilidade de ver mais um planejamento naufragado e não concretizado... Cansado da possibilidade ver mais um sonho se ruir, decidi não esperar e seguir rumo a minha primeira trilha solitária...


Fiz todos os procedimentos necessários e parti rumo ao desconhecido, me hospedando num Hostel, na tentativa de diminuir o sentimento de solidão e ter o máximo de pessoas a minha volta... Apesar de não ter considerado uma experiência ruim e ser bem mais econômico, confesso que o clima de festa constante e a falta de privacidade no quarto compartilhado me incomodaram um bocado... Em nenhum momento me arrependi e por algum tempo usei essa modalidade de hospedagem por questões financeiras e pelo medo de ficar sem ninguém ao meu redor, mas, aos poucos, fui passando a alternar essas condições de acordo com minhas condições econômicas e de acordo com meu estado de espírito, também.

 photo Sem ttulo_zps8ipv2s29.png


Como podem observar não estou aqui vendendo sonhos, tão pouco dizendo que viajar sozinho seja uma experiência fácil e maravilhosa... No início foi difícil e, apesar de ter amado minha primeira trip a Buenos Aires e tantas outras cidades, tive meus momentos de medo e resistência, até encontrar meu próprio estilo de viagem...


O início sempre é complexo... Existem barreiras que precisam ser derrubadas... Poderão ocorrer situações de desconforto e haverá momentos onde muito provavelmente vocês irão xingar seus amigos ou parentes mais próximos por não terem te acompanhado e por estar sozinho numa terra distante, com hábitos diferentes do seu... Podem até acontecer alguns momentos de arrependimento, pois, as vezes dói estar numa mesa de restaurante sozinho, enquanto se observa grupos sorridentes e felizes ao seu lado, por exemplo...


Mas, escreve o que eu digo: se você seguir em frente e não se acovardar, o saldo final será sempre positivo. Ter a liberdade de se fazer o que quiser, ficar mais rápido ou mais demoradamente em determinado lugar, não se ver obrigado a abrir mão do seu desejo, não ter que enfrentar discussões ou aborrecimentos por conta de opiniões e personalidades diferentes... Tudo isso não tem preço! Viajar sozinho é fazer tudo dentro do seu tempo e do seu modo!


É lógico que nem tudo são flores: se desgarrar do outro e perceber essas vantagens pode ser doloroso, no início! Por isso não desista, se num primeiro momento houver algum estranhamento... É a continuidade e persistência que lhe mostrará a beleza e a delícia de estar só em uma viagem! Tente se arriscar e descubra sua maneira própria de sair pelo mundo. Vale dizer que somos indivíduos da singularidade e por isso, a experiência tem de ser sua: somente sua! Logicamente que é ótimo acompanhar relatos, obter informações e ter uma noção do processo! Tudo isso é de extrema valia, nos dá norte e nos ajuda no preparo... Mas, saiba que enquanto a própria pessoa não vivenciar tudo isso, estará se pautando na vivência do outro; não será algo pessoal... Portanto, descubra sua formjua particular de viajar e de estar consigo mesmo nesta aventura! É uma experiência sem igual!





Viajar nada mais é do que tornar realidade o sonho de uma vida da qual você adoraria ter, mesmo que seja por poucos dias... Experimente! Viajar é meu mundo... Viajar é terapêutico

Jansen Sarmento
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

1 comentários:

Clique aqui para comentários
Gina Nobre
Administrador
10 de novembro de 2017 09:02 ×

É realmente um processo: a gente começa a viajar só porque os amigos não têm disponibilidade de tempo, condições financeiras ou os gostos não coincidem. Porém, depois de experimentar a liberdade de poder ir aonde se quer, fazer o que desejar com o tempo e o dinheiro disponível... A verdade é que, ainda que tenhamos companhia, percebemos que viajar sós é bem melhor! Para crescer enquanto ser humano enfrentando novos desafios, para explorar novos destinos turísticos, para desfrutar da realização de planejar e executar um projeto de viagem, não há nada igual a dispor-se em viajar só. Quando estamos com a pessoa amada, com parentes ou amigos, a ênfase é dada à interação. Mas quando estamos sós, toda a atenção é dada à viagem em si e ao que ela está proporcionando. Quem já provou, aprovou!

Parabéns Gina Nobre
Responder
avatar
Obrigado pelo seu comentário